Viagem pela Europa
Viagem pela Europa
Viagem pela Europa
Viagem pela Europa
Viagem pela Europa

[ Ver índice do blog ]

[ Voltar ]

Sábado, 23 de Junho de 2012 - 16h48min

ESPORTE OU TRANSPORTE ?

[image]
Quando pensamos haver lido quase tudo sobre moto, eis que nos deparamos com um texto inteligente como esse abaixo reproduzido, de autoria do amigo e motociclista escritor James Stuart Hodge, autor do livro "Motociclismo Avançado" (divulgado no link próprio deste site).

Vale a pena a leitura !

100 anos atrás, pouco depois de sua invenção, dirigir um automóvel era um esporte reservado a ricos aventureiros. Os ingleses e alemães do início do século passado, com seus bonés xadrez, óculos de proteção e uma charmosa echarpe no pescoço, percorriam os caminhos de então a bordo de veículos que exigiam considerável conhecimento e habilidade para serem conduzidos com sucesso.

Muito mudou nesses cento e tantos anos. Os automóveis evoluíram, tornando-se muito mais práticos, seguros e simples de dirigir. Os automóveis modernos são quase utensílios domésticos, uma máquina que quase todos têm e sabem operar. As quatro rodas lhe conferem grande estabilidade estática e dinâmica, e vários aperfeiçoamentos, como motores confiáveis, câmbio automático, freios servo-assistidos eletronicamente controlados, e direção hidráulica, o transformaram num produto extremamente bem sucedido e num dos pilares do desenvolvimento econômico do século 20.

O automóvel, que antes era usado na prática de um esporte, passou a ser usado como meio de transporte. Mesmo o automobilismo esportivo, que ainda sobrevive, tem nos últimos tempos acentuado a tendência no sentido de diminuir a importância dos pilotos em favor da tecnologia empregada – aerodinâmica, eletrônica, monitoramento remoto do desempenho do carro de corrida, etc.

As motocicletas, logo após sua invenção, tiveram uma história parecida. Pilotá-las era um esporte que exigia muito conhecimento e habilidade, e, devido às suas características próprias, talvez demandassem ainda mais perícia, e certamente sujeitavam o piloto a riscos maiores, que os automóveis.

Também as motocicletas evoluíram nesses 100 anos, mas sua evolução foi um pouco diferente da dos automóveis. Tornaram-se, igualmente, mais confiáveis, mais confortáveis, e mais práticas; todavia, continuam exigindo muito conhecimento e habilidade para serem conduzidas com competência, e continuam sujeitando seus pilotos a grandes riscos, sobretudo no trânsito das grandes cidades e em estradas públicas.
O motociclismo continua sendo, até hoje, um esporte – e talvez por isso seja tão apaixonante!
Motocicletas são como aviões: se o piloto não souber o que está fazendo, elas acabarão caindo. Sua instabilidade intrínseca (são só duas rodas), e sua grande capacidade de aceleração e frenagem, não impedem que sejam usadas como meio de transporte; mas elas exigem de seus pilotos um nível de conhecimento e habilidade – perícia – que é característico da prática de um esporte. E de um esporte perigoso!

Este fato não é devidamente enfatizado.
As motocicletas são anunciadas e compradas como se aprender a pilotá-las fosse muito fácil; e como se fosse possível a seus proprietários adquirir a necessária perícia e experiência nas vias públicas, enfrentando o trânsito de automóveis, caminhões e ônibus.

O processo de habilitação de motociclistas também adota esta premissa. O exame teórico verifica principalmente o conhecimento das leis de trânsito. O exame prático requer do candidato que mantenha a motocicleta equilibrada; que percorra, a baixa velocidade, uma pistinha desenhada no pavimento de um estacionamento ou de qualquer outra área pavimentada e deserta; e que pare e saia novamente com a motocicleta. Conseguindo passar nestes dois exames, ele receberá sua carteira de habilitação. Terá, então, autorização legal para imediatamente pegar uma estrada e desfrutar do prazer de pilotar uma moto em velocidade.

É quase como ensinar alguém a nadar jogando-o numa piscina funda e o abandonando à própria sorte. Ou permitir que alguém aprendendo a pilotar um avião, com apenas instrução teórica sobre o funcionamento dos controles e comandos e com pouca experiência prática, se aventure em seu primeiro voo solo. Só para pegar o jeito...
Repito – motociclismo é um esporte! Não se deve pilotar uma motocicleta pensando em suas obrigações do dia, ouvindo rádio, falando no celular ou fazendo qualquer outra coisa que desvie a atenção da atividade de pilotar a moto. Mais cedo ou mais tarde, e quase sempre mais cedo, vai dar besteira!

As motocicletas podem e devem, devido às vantagens que oferecem, ser usadas como meio de transporte.

Mas não se aventure a pilotar uma moto nas ruas e estradas, enfrentando o trânsito de outros veículos, se não tiver recebido instrução detalhada sobre seu comportamento dinâmico: o efeito giroscópico das rodas, e sua influência no equilíbrio da moto; o countersteering (contra-esterço), que é a forma mais precisa, rápida e fácil de mudar a direção de uma moto; a grande transferência de peso para roda dianteira durante a desaceleração e frenagem, e como isso desestabiliza a moto; a grande transferência de peso para roda traseira durante a aceleração, e como isso estabiliza a moto; e o papel da roda traseira na mudança de direção da motocicleta.
Só então, depois de ter tomado conhecimento destas informações e técnicas, e de ter treinado o suficiente para desenvolver sua habilidade, você terá a perícia necessária para se considerar um motociclista, e poderá usar sua motocicleta como meio de transporte.

Mensagens:

Mateus Erthal, Sábado, 23 de Junho de 2012 - 17h39min

Jordan, Domingo, 24 de Junho de 2012 - 00h53min

Allamo, Domingo, 24 de Junho de 2012 - 15h11min

Luiz Almeida, Segunda, 25 de Junho de 2012 - 10h49min

Italo Schramm, Segunda, 25 de Junho de 2012 - 12h56min

Hanno, Segunda, 25 de Junho de 2012 - 14h09min

 

Nome:

E-mail ou Homepage:

Sua mensagem:

Sua mensagem ficará gravada no blog. Caso concorde com isso, marque a caixa abaixo.

Concordo em gravar minha mensagem no blog!

[ Ver índice do blog ] [ Login ]